Arquivo da categoria: 'Revistas & Scans'
18.set
People entrevista Angelina Jolie: sua família e seu futuro

Um ano depois de ingressar com o pedido de divórcio de Brad Pitt, a atriz conversou com a revista norte americana, People, sobre sua nova vida, sobre seu novo e emocionante filme, “First They Killed My Father e sobre suas expectativas para os filhos.

Por Mary Green

Ainda faltam dois meses, mas Angelina Jolie está muito entusiasmada com o Halloween. “Eu, realmente, vou participar este ano,” disse a atriz e diretora de 42 anos. “Eu vou fazer uma festa de Halloween bem louca e ver se consigo agitar esse bairro.” Conforme ela se senta para conceder esta primeira entrevista com a People desde 2015, a atriz se mostra alegre ao falar sobre sua vida ao lado dos seis filhos – Maddox (16), Pax (13), Zahara (12), Shiloh (11), Knox (9) e Vivienne (9) – mas também séria e, às vezes, emotiva enquanto reflete sobre como suas vidas mudaram ao longo do ano passado.

No dia 19 de Setembro de 2016, Jolie ingressou com o pedido de divórcio de Brad Pitt, após 12 anos de relacionamento, depois de um desentendimento entre Pitt e Maddox ocorrer abordo de um voo particular em que a família se encontrava.

“Eu estou sem trabalhar há mais de um ano porque eles precisam de mim em casa,” diz Jolie. Ela não irá falar sobre os detalhes do divórcio – em Janeiro, ela e Pitt concordaram em resolver a questão de forma privada e as negociações ainda estão em andamento. Mas é claro que as feridas decorrentes desta amarga separação ainda estão frescas e que os rumores de uma reconciliação são improváveis.

Agora, a super estrela está de volta aos holofotes com um trabalho que fala sobre o amor: “First They Killed My Father”, um filme que ela dirigiu para a Netflix (lançado no dia 15 de Setembro), é baseado nas memórias de sua amiga Loung Ung ao sobreviver o genocídio praticado pelo Khmer Vermelho no Camboja, país onde nasceu o filho mais velho de Jolie, Maddox. Sua família também está pronta para embarcar em novas aventuras. De acordo com Jolie: “Nós precisamos sair e passar bons momentos juntos”.

Como você descreveria este último ano?
Eu tenho tido meus altos e baixos. Mas eu acho que eu sou um pouquinho forte.

Quando você se sente pra baixo, triste ou com raiva, o que motiva você a conseguir passar por esses momentos?
Nós tivemos nossos momentos difíceis, mas como mãe, você tem a principal responsabilidade de cuidar dos filhos. Eles estão passando por seus anos de formação e todo o resto passa a ficar em segundo plano.

“First They Killed My Father” é uma história sobre sobrevivência e esperança. O que este filme significa para você?
Ele fala sobre resiliência e sobre o espírito humano. Muito do filme é sobre o Camboja e sobre o país em si, o que é extraordinário. Este país mudou minha vida e esta é uma forma de eu dizer obrigada. Eu não tenho a intenção de fazer com que este país olhe para trás e se lembre dos horrores pelos quais passou. Eu queria que Maddox visse o quão extraordinário seu país, na verdade, é.

Sua primeira visita ao Camboja foi em 2000, quando você estava gravando “Lara Croft: Tomb Raider”. Você se apaixonou pelo país imediatamente?
“Lara Croft: Tomb Raider” foi o primeiro filme rodado lá depois da guerra. Na época eu pensei: ‘Irei ver um país fechado, sensível e com pessoas, possivelmente, irritadas porque passaram por muitas coisas’. No entanto, o que eu vi lá mudou minha perspectiva sobre o mundo. Os cambojanos não são ingênuos com relação a dor, ao sofrimento e a escuridão, mas eles são exemplos de pessoas que desejam seguir em frente, encontrar paz, luz e vida. Vida para as próximas gerações.

Você adotou Maddox no Camboja no ano de 2002. Você ficou surpresa quando ele encorajou você a transformar as lembranças de Loung Ung em um filme?
Maddox conhece a si mesmo muito bem e quando ele disse que estava pronto, eu sabia que ela tinha certeza do que estava falando. Ele vive indo e voltando do Camboja, mas para fazer o filme, teríamos que ficar no país durante quatro meses; lendo, ouvindo, aprendendo e absorvendo todas as coisas relacionadas com a cultura do país, incluindo as partes muito, mas muito sombrias. Ele começou a ver documentários e nos ajudou com o roteiro. Ele é muito competente e sempre me surpreende. Ele está fazendo aulas de aviação e outro dia, o pessoal me ligou dizendo: ‘Mad já está conseguindo voar sozinho’. Eu quase derrubei o telefone! Ele está fazendo aula de francês e russo e muitas línguas diferentes. Eu já ouvi ele conversar fluentemente em francês e me disseram que ele já atingiu certo nível nas aulas de alemão, mas eu não tenho muita ideia porque ele não faz essas coisas na minha frente. Ele também é bastante forte.

Como foi ser a chefe dele nos sets?
Na verdade, nós tivemos uma relação de trabalho muito boa. Nós queríamos que este filme fosse feito a partir do ponto de vista de uma criança, então eu conversei com ele a respeito do que ele entendia e do que as crianças entendiam. Pax também trabalhou no filme [como fotógrafo]. Mesmo com o pé machucado, ele esteve trabalhando nos sets com sua câmera e suas muletas. Eles realmente trabalharam muito bem!

Você tem feito trabalho humanitário no Camboja durante esses 14 anos. Quais são seus objetivos?
Nós temos uma Fundação lá com o nome do Maddox que opera em uma das áreas mais afetadas pela guerra. Nós ajudamos a comunidade local a proteger o ambiente contra a caça furtiva, a exploração de madeira ilegal e contra o desmatamento. Nós financiamos escolas locais, clínicas de saúde e organizamos programas educativos e de capacitação de mulheres.

Houve uma alegria coletiva quando você anunciou que irá fazer “Malévola 2”. Você vai usar os próximos dois anos para voltar a atuar?
Tudo está girando em torno das crianças. Eu estou há mais de um ano sem trabalhar porque eles precisam de mim em casa. Tudo esteve parado. Eu não tenho certeza absoluta de quando eles estarão prontos para que eu possa voltar. Eles gostam da ideia de eu fazer “Malévola” novamente e, provavelmente, isso irá acontecer no começo do ano que vem, mas eu realmente tenho sentado para conversar com eles porque tudo os afeta. Cada localidade, cada tipo de projeto… Eu vou ter que me ajustar para o quanto eles puderem lidar. Mas eu acho que eles estão ansiosos para sairmos para o mundo novamente e nos aventurar. Se eles quiserem novas aventuras, acho que teremos que sair e passar bons momentos juntos. Todos nós ficamos trancados e passamos por muitas coisas, então eu acho que isso seria algo bom para todos nós.

Sua mãe, Marcheline, faleceu 10 anos atrás. Como você sente a presença (ou falta) dela atualmente?
É muito, muito difícil tentar entender por quê ela não está aqui, mas eu tento ser parecida com ela, o máximo possível. Eu tento imaginar o que ela faria e me ajusto, me espelho nela. Ela amava ser mãe. Ela foi avó por alguns anos e ela estava muito feliz. Ela teria ficado loucamente feliz por não ter de fazer nada além de colecionar coisas. Ela costumava usar o fogão como estante de livros – o que mostra onde eu adquiri minhas habilidades culinárias. Ela também tinha caixas cheias de pacotinhos com presentes para o Dia dos Namorados e para a Páscoa. Quando eu dou presentes, eu sou muito boa em embrulhar coisas. Esta era minha mãe.

Existe alguma coisa que você faz que seus filhos não acham legal?
Nossa, muitas coisas. Você não tem ideia. Nós temos umas coisas em casa, como aquelas barras de subir, essas coisas de fazer Parkour, e uma escada que eu acabei de construir. Eu sou a única da casa que não consegue fazer essas coisas. Faz quase oito anos que eu fiz meu ultimo filme de ação, então meus filhos, realmente, não conhecem esse meu lado. Eles pediram para que eu considerasse fazer um desses filmes e eles me ofereceram ajuda para treinar. Knox, outro dia, me disse: “Mãe, eu posso treinar você. Eu posso ajudar você a correr, a fazer flexões”. Isso quase já vale a pena ao fazer um filme de ação – só para que meus filhos possam treinar a mamãe!

Você disse que está melhorando suas habilidades na cozinha. Qual é sua especialidade?
Eu acho que ainda não tenho uma especialidade. Eu estou aprendendo o básico ainda, algo como “Certo, então você cozinha isso? O que é branquear por escaldamento? Por que isso é melhor?” Eu, realmente, estou tentando não queimar as coisas porque eu sou muito impaciente. Eu faço as coisas e quero sair da cozinha. Eu tenho que levar comigo aqueles temporizadores porque eu não consigo ficar quieta esperando.

Você passou por duas batalhas com relação à sua saúde, incluindo uma dupla mastectomia e a remoção dos ovários para se proteger do câncer. Além disso, você revelou recentemente que teve paralisia facial de Bell. Sua saúde tem estado boa?
Até agora sim. Não tenho nada no momento.

Do que mais você se orgulha?
Eu tenho muito orgulho dos meus filhos. Eles são indivíduos muito distintos, únicos e com opiniões fortes. São pessoas empáticas e ainda assim, são crianças brincalhonas. Eles realmente são meus melhores amigos e eu aprendo muito com eles todos os dias. Quando você é mãe, você começa a pensar que eles estão te ultrapassando. Eu ainda não fui ultrapassada, mas estou enfrentando isso lentamente. Você começa a ver que eles são melhores que você ao fazer as coisas, que a mente deles vai muito além da sua. Se eu não tivesse feito nada na vida além de ser a mãe deles, eu já estaria feliz.

Maddox conta como foi trabalhar com a mãe!

Nos sets de “First They Killed My Father”, Maddox organizou as reuniões, ajudou a preparar as cenas e ajudou a revisar os diários. “Eu, basicamente, tentei ajudar em tudo o que podia”, contou ele à People. O jovem adolescente contou ainda que ama o Camboja mais pelas pessoas. “Eles são tranquilos e relaxados, mas quando querem fazer algo mais louco, eles vão lá e fazem – são muito parecidos comigo. Eu tenho orgulho de ser cambojano”. Sua famosa mamãe também foi “divertida, engraçada e fácil de trabalhar”, disse ele. “Ela é maravilhosa!”

A autora do livro que inspirou o filme e ativista dos direitos humanos, Loung Ung, virou amiga próxima de Jolie em 2001, e ela teve uma participação importante na hora de Jolie decidir adotar Maddox, quando ele tinha penas 7 meses de idade.

“Eu perguntei como ela se sentia sobre eu adotar um órfão cambojano e ela me deu muito apoio. Ela tem estado na vida de Maddox desde quando ele era apenas um bebê,” conta Jolie. E Ung acrescenta: “Tudo o que eu vi foi o quão grande era o coração, a generosidade e bondade dela”.

Scans:

01 02 03 04 05



13.set
Angelina Jolie está na capa da revista People

Muita coisa mudou neste último ano na vida de Angelina Jolie, mas uma coisa permanece intacta – sua dedicação aos filhos.

Depois de ingressar com o pedido de divórcio do ator Brad Pitt no dia 19 de Setembro do ano passado, Jolie se retirou dos holofotes para se concentrar em sua família, que trabalhava na recuperação desta traumática separação.

“Eu tenho tido meus altos e baixos. Mas eu acho que eu sou um pouquinho forte,” contou a atriz, diretora e filantropa exclusivamente à PEOPLE, para a entrevista de capa da nova edição da revista.

“Nós tivemos nossos momentos difíceis, mas como mãe, você tem a principal responsabilidade de cuidar dos filhos. Eles estão passando por seus anos de formação e todo o resto passa a ficar em segundo plano, com relação a isso”.

Com seus filhos – Maddox (16), Pax (13), Zahara (12), Shiloh (11), Vivienne (9) e Knox (9) – ao seu lado, a super estrela de 42 anos está de volta ao trabalho enquanto divulga “First They Killed My Father”, o novo filme que ela dirige para a Netflix (que será lançado no dia 15 de Setembro) e que é baseado nas memórias de sua amiga, Loung Ung, sobrevivente do genocídio praticado pelo regime do Khmer Vermelho no Camboja.

“Tudo está girando em torno das crianças,” diz ela. “Eu estou sem trabalhar há mais de um ano porque eles precisam de mim em casa. Tudo esteve parado. Eu realmente tenho sentado para conversar com eles porque tudo os afeta. Cada localidade, cada tipo de projeto… Eu vou ter que me ajustar para o quanto eles puderam lidar”.

Na entrevista, uma emotiva Jolie também falou sobre como, mais do que nunca, sente falta da sua mãe, Marcheline Bertrand, que faleceu de câncer dez anos atrás. Ela conta também que sua própria saúde está boa “até o momento” depois de se submeter a duas cirurgias preventivas para diminuir o risco de desenvolver câncer de mama e de ovário.

Jolie está muito orgulhosa com o fato de Maddox e Pax terem se envolvido na produção de “First They Killed My Father”. O filme foi feito a partir do seu amor de longa data pelo Camboja, onde ela adotou Maddox em 2002 e onde ela realiza trabalho humanitário há 14 anos, estabelecendo uma Fundação que recebeu o nome de Maddox, que ajuda as comunidades locais na área da educação, saúde e muito mais. “Eu queria que Maddox visse o quão extraordinário o seu país é,” disse ela sobre o filme.

Embora a família ainda esteja se curando pelo acontecimento do ano passado, a estrela diz que sua família está fora da “zona de bloqueio” e está pronta para novas aventuras.

“Eu acho que eles estão ansiosos para sairmos para o mundo novamente,” diz Jolie. “Todos nós ficamos trancados e passamos por muitas coisas. Eu acho que seria bom sairmos e ficarmos juntos”.

Fonte: People

A revista também compartilhou uma entrevista, na qual Angelina, Loung Ung e o produtor Rithy Panh responderam perguntas feitas por algumas crianças. O vídeo é muito longo e, infelizmente, não temos como legendar. No entanto, você pode assisti-lo através do nosso canal no YouTube.

Vídeos:

Na Galeria, foram adicionadas fotos dos novos ensaios fotográficos (Photoshoots) feitos de Angelina durante a divulgação do novo filme.

Fotos:

01 02 03 04 05



30.ago
Jolie fala sobre seu novo filme em entrevista

Nesta terça-feira, dia 29 de Agosto, o site “Screen Daily” disponibilizou uma nova entrevista concedida por Angelina Jolie, na qual a cineasta fala sobre seu novo filme, “First They Killed My Father”.

Por Jeremy Kay

Angelina Jolie, atriz, cineasta e ativista dos direitos humanos, está lançando o projeto mais pessoal de sua carreira. Um filme que se passa na década de 70 e fala sobre o genocídio cambojano. Em uma entrevista exclusiva, ela falou ao “Screen Daily” sobre a estreia internacional de “First They Killed My Father” que irá acontecer durante o Toronto International Film Festival (TIFF) no dia 11 de Setembro deste ano.

Jolie entrou em contato com as memórias de Loung Ung através do livro best seller “First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers”, 17 anos atrás quando ela participava das filmagens do filme “Lara Croft: Tomb Raider”. O livro custava em torno de “dois dólares e era uma espécie de livro de bolso, que você encontrava em qualquer lugar durante as viagens”. Através dele, Jolie foi para um lugar muito mais distante que uma Lara Croft pulando através dos templos e de florestas fumegantes poderia ir.

Para Jolie, o livro cristalizou a dignidade e o desespero testemunhados por ela no país do sudeste asiático de tal forma, fazendo com que ela retornasse repetidas vezes ao Camboja como ativista humanitária e, posteriormente, como uma cidadã residente.

Ung e Jolie se conheceram através do trabalho humanitário, quando Jolie retornou para o Camboja um pouco depois de gravar “Tomb Raider”. Certa vez, as duas se viram balançando em redes durante uma chuva de monção, enquanto conversavam durante a noite. “Nós ficamos amigas e ela tem estado em minha vida desde então”, disse Jolie.

Ung tinha cinco anos quando o Khmer Vermelho emergiu das selvas em 1975 para derrubar o governo de Lon Nol e transformar um país próspero em uma câmara de morte isolada. Ela e sua família de classe média deixaram a capital Phnom Penh e marcharam para os campos, assim como milhões de habitantes das cidades ao redor do país. Quando as tropas vietnamitas invadiram o Camboja e derrubaram o Khmer Vermelho em 1979, Ung perdeu seus pais e dois dos seus seis irmãos. Cerca de dois milhões de pessoas – quase um quarto de toda a população do Camboja – foram mortos.

Jolie e Ung adaptaram o roteiro do filme anos trás. Depois de vários esboços, em 2015 a Netflix concordou em financiar e produzir o projeto. Em junho daquele ano, Jolie pediu o apoio do cineasta cambojano Rithy Panh – diretor do documentário “A Imagem que Falta” indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Panh concordou e se tornou o produtor do projeto, assumindo a liderança durante meses e participando de reuniões com autoridades e ONGS, buscando conseguir permissão para o filme ser filmado em solo cambojano. Os cineastas tiveram que agir com cuidado. Ali não era a Tailândia, lembrou Jolie – local onde o filme “Os gritos do silêncio” havia sido gravado muitos anos antes. “Eu estava querendo levar um filme para o país e pedir para que as pessoas que viveram naquela época, relembrassem da história. Eu realmente não sabia se as autoridades iriam concordar”.

Revivendo o passado

Jolie estava preparada para reduzir a produção e trabalhar com qualquer espaço que as autoridades fornecessem. No entanto, ela conseguiu o que queria e as filmagens, que durariam 50 dias e que seriam feitas nas cidades de Siem Reap e Battambang, finalmente começaram em novembro de 2015.

“Então, é claro, eu cheguei nos sets e estava ao lado da minha amiga, tentando recriar cenas do pai dela sendo capturado e morto. Eu estava tentando refazer os passos da vida de uma pessoa.” Jolie faz uma pausa e sua voz meio que some. “Eu estava trazendo à tona. Eu estava trazendo de volta todas aquelas pessoas que morreram. Eu estava trazendo as irmãs dela de volta. E, é claro, sempre foram as cenas mais felizes que pareceram deixar Ung mais perturbada.”

Jolie e seus colegas internacionais do departamento de seleção de elenco treinaram figurantes locais, “prenderam” um grande número de figurantes, enfrentaram tarantulas e cobras nas selvas e, além disso, tiveram que evitar minas terrestres e outras munições não detonadas. “Por sorte, nós conseguimos finalizar as filmagens sem um único incidente nos sets”, disse Jolie.

Caminhar por um complicado terreno emocional foi mais difícil. A equipe local ajudou na comunicação com o elenco – que era, em grande parte, inexperiente – incluindo a pequena atriz Sareum Srey Moch, com 9 anos de idade, que interpretou o papel de Ung sem ter feito aulas de atuação e que impressionou sua diretora.

Moch participou de uma seleção de elenco que acabou sendo mal descrita pela recente matéria publicada pela revista norte americana “Vanity Fair. No artigo, ficou implícito que os diretores de elenco teriam emocionalmente manipulado as crianças durante as audições, provocando comentários raivosos contra Jolie.

A Enviada Especial do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados e mãe de seis filhos emitiu, junto com Rithy Panh, um comunicado refutando tais afirmações. Quando isso foi novamente mencionado, Jolie disse que este assunto já estava encerrado. No entanto, ela fez questão de enfatizar que os tutores e os pais das crianças estavam presentes durante todas as audições e todas as partes sabiam que o processo envolvido era uma situação de “faz de conta”.

Ao longo das filmagens, o objetivo principal era proporcionar um ambiente terapêutico e catártico para o elenco do filme, através de uma equipe de ONGs, educadores, terapeutas e até desminadores. “O país realmente não fala sobre aquela época e todo mundo que tem em torno de 40 anos, se lembra,” disse Jolie. “Em uma cena, todos estavam vestidos com os uniformes do Khmer Vermelho e carregavam armas. As pessoas começaram a sentir algumas coisas, pois elas estavam se lembrando. Algumas pessoas conversaram sobre aquilo pela primeira vez.”

“First They Killed My Father” permitiu que Jolie se sentisse ainda mais próxima de um país onde ela viveu e trabalhou durante 14 anos. “Quando você dirige um filme é muito diferente de quando você atua. Quando você atua você tenta dar tudo o que você tem durante alguns meses da sua vida, onde você tem apenas um papel para interpretar,” afirmou Jolie. “Quando você dirige um filme, ele toma anos de sua vida e, portanto, deve ser algo realmente importante já que o projeto consome você”.

“Para mim, estas são coisas que realmente importam e estes filmes que eu dirigi são sobre tentar entender a desumanidade do homem para com outros homens; de como o espírito humano supera; de como você pode atravessar a escuridão e sair ainda mais forte e completo”, continua ela. “Quando você faz um filme sobre a história e a cultura de um país, você acaba se envolvendo em uma coisa muito especial”.

“Com este filme, em particular – desconsiderando o fato de que Maddox [o filho mais velho da atriz, adotado por ela no Camboja em 2001] sempre volta para lá comigo e termos uma casa lá – esta foi a primeira vez que ela conseguiu passar meses lá e estudar a história de seu país; ele conseguiu realmente estudar a fundo e compreender o que seus pais biológicos provavelmente passaram; ele conseguiu aceitar isso e descobrir quem era”.

Retribuindo

Um Maddox, agora com 16 anos, trabalhou como o produtor executivo do filme e esteve nos sets desde o começo, trabalhando longas horas nos rascunhos, na produção física e na parte de som. “Eu queria que ele trabalhasse duro e “se devolvesse” ao seu país”, disse Jolie, que não tem duvidas em dizer para quem ela fez este filme. “Eu fiz este filme para o Camboja. Eu fiz como uma espécie de agradecimento, como uma carta de amor. Nunca existiu um filme desta proporção que tenha chegado ao povo cambojano em sua língua nativa, mostrando ele como herói.”

Será que ela se preocupou com o fato de, por não ser uma cambojana nativa, ter o direito de fazer um filme como “First They Killed My Father” questionado pelo povo cambojano? “Provavelmente você teria que perguntar isso para os cambojanos. Em 2005, eu me tornei cidadã do país. Já faz 14 anos que eu sempre estou lá, indo e vindo, fazendo o meu trabalho. Nós achamos… que eu sou cambojana. Nós somos uma família cambojana. Assim como nós somos uma família namibiana, etíope, americana… Estes somos nós”, disse Jolie referindo-se às nacionalidades de seus filhos adotados e biológicos. “Eu não me sinto deslocada naquele país. Assim como eu não sinto que estive lá para roubar e contar sua história. Eu fui apenas um veículo para que eles pudessem contar a história deles”.

O drama recebeu sua estréia mundial em Fevereiro deste ano, ao livre, no complexo do templo Angkor Wat, no Camboja. Jolie e Ung não conseguiram dormir na noite anterior, mas elas não precisavam ter se preocupado – a exibição do filme que aconteceu naquela noite e nas noites que se seguiram nas semanas posteriores ao redor do Camboja “provocaram uma grande discussão no país entre as famílias que não falavam sobre o genocídio”.

A Netflix vai lançar “First They Killed My Father” ao redor do mundo no próximo dia 15 de Setembro. Jolie gosta da ideia de que o filme estará disponível através de uma plataforma de transmissão como essa, para que os espectadores possam assistir quando sentirem que estão prontos. “Com o primeiro filme que eu dirigi [“Na Terra de Amor e Ódio”, lançado em 2011], muitas pessoas bósnias contaram que não conseguiram assistir, que precisavam fazer pausas para depois voltar a ver; então, desta vez, eu estou mais ciente disso”.

Ela não tem realmente certeza do que vem em seguida. Família sim e, provavelmente, atuação. Ela assinou para interpretar o papel de Malévola em uma sequência do primeiro filme e riu quando o remake do filme “A Noiva de Frankenstein” foi mencionado. “Houve uma conversa, mas não acertamos nada. Quantos monstros uma pessoa só pode interpretar, realmente?”

Fonte: Screen Daily

01 02 03 04



26.jul
Angelina Jolie Solo na capa da revista Vanity Fair

Por Evgenia Peretz para a Vanity Fair
Tradução por Guilherme L., colaborador do Angelina Jolie Brasil

Parte I

Existe uma Angelina Jolie que agora é mãe solteira – lidando com o dia-a-dia caótico de seis filhos e com o trauma de seu divórcio com Brad Pitt – e existe uma Angelina Jolie que agora está lançando seu projeto mais recente, uma produção revolucionária da Netflix sobre o genocídio no Camboja que também é um agradecimento à nação cambojana que a transformou. Em sua nova mansão em Los Angeles, Jolie revela a tensão entre as duas Angelinas e a razão pela qual sua vida nunca vai ser normal.

Como muitas coisas envolvendo Angelina Jolie, pisar em sua casa é uma experiência tão elevada que você se pergunta se é algo real ou produto de uma cuidadosa orquestração. Os grandes portões da sua recentemente adquirida casa em Los Feliz – uma mansão no estilo Beaux-Arts de 11 mil metros quadrados que já pertenceu ao épico cineasta Cecil B. DeMille – abrem lentamente, revelando gramados ondulados e árvores exuberantes no perímetro. Ninguém está ali, e tudo está quieto com exceção de um delicado som de água em direção à piscina. Várias portas da casa estão abertas, como se estivessem posando para algum enigma de um conto de fadas – em qual delas entrar? No interior, a vibe é arejada e calma: todas as janelas abertas e cruzadas, velas não acesas e móveis suaves e maleáveis, ambos em um tom de creme claro. Finalmente ela emerge do outro lado da casa e desliza pela sala usando uma clara túnica de cor creme. Seu cabelo está solto, seus pés descalços, uma maquiagem discreta e iluminada. Ela dá um largo sorriso – uma celestial ninfa da floresta.

Mas logo que ela começa falar, você percebe que as noções pré-concebidas que você tem sobre a Jolie não são tão corretas. Ela não é uma deusa celestial. Ela não é um deus todo poderoso. Ela não é uma controladora intensa – ou pelo menos não, aparentemente. Ela mais parece, em vez disso, com uma pessoa normal, amigável, prática, e até mesmo boa para jogar conversa fora. Ela explica o acordo feito sobre sua grande mansão vazia. Ela se mudou para esse espaço apenas quatro dias atrás com seus filhos. Não foi pela história prestigiosa da casa ou por sua arquitetura. Ela precisava de um lugar bom e rápido, que fosse isolado, com muitos quartos; essa mansão, que foi avaliada por volta de 25 milhões de dólares, tem seis quartos e dez banheiros. Após o seu pedido de divórcio de Brad Pitt em setembro de 2016, ela e seus filhos ficaram nove meses morando de aluguel, basicamente vivendo com suas malas.

Dessa forma, ela ainda não tinha desfeito as malas, quase não conhecia a região, nunca teve um visitante real e não tem certeza de onde é o melhor lugar para sentar e conversar. Com essa questão em mente, ela vaga de quarto em quarto – a cozinha fabulosa, digna de um filme de Nancy Meyers, uma biblioteca cinza charmosa com aquelas escadinhas de biblioteca (seu cômodo favorito na casa), um generoso patamar de uma extensa escada ancorada por uma mesa redonda com um buquê de flores brancas. Ela finalmente se acomoda na sala de estar, cuja decoração havia sido feita rapidamente por um amigo decorador, com dois sofás creme claro e algumas almofadas. Ela olha para elas, curiosa e diz: “Eu não tinha noção de que eu precisava de almofadas. Decoração, essas coisas de casa, sempre foram coisas que o Brad fazia”. Exatamente naquele momento, seu cachorro rottweiler, Dusty, parecendo querer zombar dela, pula no sofá, encharcada de um pulo na piscina, sujando tudo. Ela suspira, entretida, enquanto tenta limpar com sua mão, mas desistindo e sentando em outro lugar.

A vida em sua casa é aparentemente assim: bagunçada, relaxada e normal. As crianças são educadas mas não de uma forma falsa. Zahara, 12, a quem Jolie descreve como a “rocha” da família, desce as escadas. “Zaz!”, Jolie chama. Elas discutem o paradeiro de todos os outros. Zahara abraça o cachorro molhado. Jolie ri e conta sobre o mergulho que Dusty havia dado. Nós nos direcionamos para a cozinha, onde Jolie se serve de uma xícara de chá. Vivienne, 9, entra com uma amiga, a qual havia dormido na casa, usando uma mochila jeans coberta de broches. Jolie a envolve em seus abraços. Eu a pergunto se ela prefere ser chamada de “Viv” ou “Vivienne”. “Qualquer um!” ela diz com um sorriso. Ela larga suas coisas no balcão e vai brincar com a amiga. Jolie pega um pedaço de cobertor, caindo aos pedaços, e explica, rindo, “Ela tem 32 cobertores. Ela é muito chegada neles e fica muito brava se você não os lava. Ela, na verdade, me disse outro dia, “Mãe, eu sinto o gosto do meu cobertor”. E eu disse, “isso, querida, é um sinal de que ele precisa muito, muito ser lavado”.

Jolie arruma as coisas de Vivienne e prontamente derruba toda a sua xícara de chá no balcão. Vamos lá fora e lá está Shiloh, 11, e Knox, 9, juntos. Shiloh, que gosta de se vestir como um menino, está usando uma jaqueta camuflada, shorts largos e tênis pretos, mesmo com o calor intenso. Knox imediatamente quer saber quando Jolie vai colocar o toboágua. “Que tal um ‘oi, mãe?'”, diz ela, com um abraço, soando como qualquer outra mãe carinhosa, porém zangada. Até agora, só há uma obra de arte pessoal – uma fotografia em preto e branco, na lareira, dos seis filhos, sorrindo e segurando seus vários animais de estimação – cachorros, répteis e roedores.

Jolie e Pitt, que estiveram juntos por 12 anos e pareciam ser o casal mais gloriosamente desenvolvido em Hollywood, se separou em setembro do ano passado. Ela pediu o divórcio de repente “pelo bem estar da família”, de acordo com seus advogados e anunciou que estaria pedindo a custódia dos seus filhos, sendo três deles adotados (Maddox, 15, pax, 13 e Zahara), e três biológicos (Shiloh, Vivienne e Knox).

As coisas estavam um pouco difíceis há um bom tempo, mas a última gota aconteceu durante uma viagem dramática em um voo privado, no qual foi reportado a ocorrência de um desentendimento físico e verbal entre Pitt e Maddox. Quando eles aterrizaram, Jolie foi para casa com seus filhos, efetivamente colocando Pitt pra fora. Não houve uma “separação consciente” – um processo comprovado para finalizar, amorosamente, um relacionamento que ficará curado e em paz. Uma ligação anônima foi feita para as autoridades. O FBI e o Serviço de Família e Crianças do Condado de Los Angeles começaram investigar Pitt por agressão contra à criança. Ele logo ficou livre disso e, posteriormente, revelou em uma entrevista à GQ Style que ele estava vivenciando a dor da quebra de sua família e admitiu ter sérios problemas com o álcool.

Existiram rumores de que ele estava tendo um caso com Marion Cotillard (negado tanto por Pitt quanto por Cotillard). Jolie antecipou-se no quesito relações públicas. Mas Pitt ganhou o coração e a cabeça das pessoas por assumir a culpa na entrevista para a GQ Style. Os dois ainda estão negociando os termos do divórcio.

Com relação à Jolie, a vida já estava transbordando – com a atuação, direção, trabalho humanitário, cuidado dos seis filhos, e com um convite para ministrar aula de direitos das mulheres na London School of Economics – tudo ficou maior e mais complicado, porque agora ela estava fazendo tudo sozinha. Além disso, existe o caos da praticidade do dia-a-dia – compromissos, consultas médicas, fazer e desfazer malas, organizar refeições. E existe o mais profundo, o caos emocional. “Tem sido um momento muito difícil e parece que só estamos subindo para pegar um pouco de ar. Essa casa foi um grande salto para nós, mas ainda estamos tentando fazer o nosso melhor para restaurar o melhor da nossa família”.

Enquanto isso acontece, o trauma pessoal coincidiu com seu filme mais pessoal até agora. Jolie dirigiu uma tocante adaptação do livro “First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers”, lançado no ano 2000, que traz a história de Loung Ung durante o genocídio praticado pelo Khmer Vermelho. Na época, os pais de Ung e dois de seus familiares foram mortos, juntamente com uma estimativa de 2 milhões de outros cambojanos, um quarto da população do país. Gravado completamente no Camboja e na língua Khmer, o filme, original da Netflix, é a maior produção que o país já presenciou desde a guerra e de acordo com relatos de diversos cambojanos que assistiram, é uma das mais peças de arte mais reveladoras sobre esse capítulo da história do país; uma história que ainda é difícil para os cambojanos discutirem. Mas se os cambojanos consideram o filme como uma espécie de presente, então certamente é um presente de agradecimento. Para Jolie, o Camboja é onde ela começou sua família e onde ela fez uma catártica transformação pessoal, se tornando a mulher que ela é hoje.

Tente se lembrar da Angelina do final dos anos 90 – a Era da Angie Louquíssima. Especialista em personagens obscuros e voláteis, que mais pareciam extensões do seu self selvagem e infantil, Jolie ganhou três Globos de Ouro por seus papéis em filmes para televisão e um Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por sua interpretação de uma jovem mulher com um aparente quadro de sociopatia em “Garota, Interrompida”. Ela falou livremente sobre ter se envolvido com heroína e automutilação, e seu amor por facas. Ela e seu novo marido Billy Bob Thornton usaram frascos com o sangue um do outro como pingentes de colares e publicamente se gabaram de seu sexo selvagem. Na cerimônia do Oscar de 2000, ela provocativamente falou sobre estar “tão apaixonada” por seu irmão, James, e o beijou com uma intimidade perturbadora. Para ter certeza, Jolie tinha uma dor legítima em seus anos de juventude – seu pai, o ator Jon Voight, tinha sido infiel com sua mãe, Marcheline Bertrand, e os dois se separaram cedo. Mas foi uma ‘Dor de Primeiro Mundo’.

Ser a nova “It girl” de Hollywood ajudou Jolie a conseguir o papel principal em “Lara Croft: Tomb Raider”, baseado no popular jogo de videogame homônimo. Conforme isso acontecia, o filme – um exemplo de filmes de Hollywood vazios, comerciais e gravados por instinto – foi gravado no Camboja. Lá, Jolie, que cresceu em uma bolha privilegiada em Los Angeles e Nova Iorque, presenciou o que era o real sofrimento: pobreza, a perda de membros por minas terrestres, uma geração de parentes desaparecidos. Neste mundo não havia espaço para mal estares instáveis ou indagações alto indulgentes. E, apesar de provas profundas, “Eu encontrei um povo tão amável, caloroso, aberto, e, sim, muito complexo”, se lembra Jolie. “Você dirige por lá e vê pessoas com muitas coisas, mas nem sempre expressando felicidade. Você vai lá e vê famílias saírem com seus cobertores e suas cestas de piquenique para assistir ao pôr-do-sol”.

Ela, repentinamente, se tornou curiosa sobre o mundo – começando com o país em que ela se encontrava. Um dia, na cidade de Siem Reap, no Camboja, ela comprou um livro que estava sendo vendido na estrada por 2 dólares: o memorial escrito por Loung Ung. Esse foi um dos fatores que inspirou Jolie a achar um propósito maior. Em 2001, equipando-se com todo o conhecimento que ela podia, ela contatou as Nações Unidas e eventualmente se tornou Embaixadora da Boa Vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. Em uma de suas primeiras missões pela ONU, em 2002, ela voltou ao Camboja para se encontrar com trabalhadores não governamentais que estavam lidando com problemas de minas terrestres. Junto deles estava Ung, a autora do livro que a transformou, que havia se mudado para a América desde a guerra mas havia passado sua vida adulta trabalhando com problemas no Camboja. Ela nunca havia assistido um filme de Angelina Jolie, mas Jolie certamente não estava parecendo uma estrela de cinema. “Ela era apenas um ser humano muito legal”, se lembra Ung, “e ela não se importava em se sujar”.

Ela e Jolie rapidamente viraram amigas e fizeram um plano de viajar juntas para uma parte do Camboja repleta de minas terrestres, na qual Ung não havia estado desde a guerra. Assim, começaram uma sequência do que soaria como se fosse algo escrito para um filme – mas não era. Elas se encontraram com vários desarmadores de minas, viajaram em motocicletas, só com uma lanterna, papel higiênico extra e como suprimentos, quando as chuvas de monções começaram. Encharcadas, elas descansavam em redes. Antes de dormir, Jolie percebeu que ela já tinha confiança em Ung o bastante para perguntar algo pessoal, algo grande e que ela estava pensando – sobre adotar um órfão cambojano. “Eu a perguntei se, para ela, como uma órfã cambojana, seria uma ofensa alguém de fora, como eu, [fazer isso], ou se seria algo legal”, se lembra Jolie. Ung apoiou de todo o coração. “Angie era maternal com todos ao seu redor, não só crianças, mas adultos também. Eu queria ela ME adotasse”, disse Ung. “Eu virei órfã aos oito anos de idade, então eu acho que, quando você passa por experiências como essa, há sempre uma parte de você que anseia por ter figuras paternais em sua vida”. Jolie disse que o entusiasmo de Ung pela ideia de ela adotar foi um fator decisivo. Se ela tivesse respondido diferentemente, explica Jolie, “poderia ter mudado minha decisão. Poderia ter sido muito difícil para mim.” Ung tem estado na vida de Jolie desde então e agora ela é uma de suas amigas mais próximas.

Jolie imediatamente iniciou o processo de adoção. Alguns meses depois, ela visitou um orfanato na cidade provincial de Battambang, prometendo que ela só queria um e que não passearia pelo local. Mas Jolie teve dificuldade conforme visitava os quartos, conhecendo as crianças. “Eu não sentia uma conexão com nenhuma delas”, ela se lembra. “Então eles disseram, ‘só tem mais um bebê'”. O bebê Maddox estava dormindo em uma caixinha que se pendurava pelo teto. Ela olhou pra ele. Ele olhou pra ela. “Eu só chorava e chorava”, ela se lembra.

Parte II

E assim, começou um projeto de 15 anos, através do qual Jolie se transformou, expandiu seu mundo, sua família, sua carreira e sua imagem. Ela comprou uma casa no Camboja e se tornou cidadã do país. Em 2003, ela iniciou um projeto que se tornou a atual Fundação Maddox Jolie-Pitt, que tem como objetivo principal a conservação ambiental do Camboja, a saúde, a educação e a infraestrutura do país. Ela intensificou seu trabalho com a ONU, participou de uma duzia de missões de campo, visitando lugares arriscados como a Serra Leoa, Afeganistão, Iraque, Bosnia e Haiti (até o momento, ela já esteve em mais de 60 missões). Na época, ela se divorciou de Billy Bob Thornton, pois ele não compreendia sua nova paixão. Ela adotou sua segunda criança, Zahara, na Etiópia.

Em 2004, ela conheceu Pitt nos sets de gravações do filme “Sr. & Sra. Smith”, quando ele ainda era casado com a atriz Jennifer Aniston. Para Jolie, o fato de, posteriormente, começar a namorar Pitt – até então, menino de ouro de Hollywood – fez com que ela fosse lançada para um outro nível de fama. Apesar de Jolie afirmar que os dois não se envolveram romanticamente até que Pitt efetivamente se separasse de Aniston, o casal não desperdiçou tempo ao exibir o romance nas páginas da revista W, que publicou uma matéria de 32 páginas, dos dois juntos em uma casa, fingindo ser um casal com cinco filhos. Aniston ficou devastada. Para Pitt, namorar Jolie significou fazer as coisas do jeito dela, pelo menos no começo. Ele marcou o início de sua própria vida filantrópica – na África, no Haiti e em Nova Orleans – ele adotou formalmente, Maddox e Zahara, e convenceu Jolie a ter filhos biológicos. Ela deu à luz a Shiloh em 2006, na Namíbia, e em seguida, vieram os gêmeos, Vivienne e Knox, em 2008. No meio disso, eles adotaram Pax, na época com 3 anos de idade, no Vietnã. Eles compraram mais casas – na França, Espanha, Nova Iorque e Nova Orleans. Enquanto Pitt, como produtor, lançava filmes de prestígio um após o outro (“Moonlight: Sob a Luz do Luar”, “Árvore da Vida”, “O Homem que Mudou o Jogo”, “Doze Anos de Escravidão), Jolie se arriscou na direção – com o longa “Na Terra de Amor e Ódio”, que aborda a guerra da Bósnia e que foi inspirado no trabalho com a ONU que ela fez por lá.

Juntos, eles pareciam imparáveis, os cidadãos vivos mais criativos do planeta. Nada parecia fora de alcance para eles. Eles viajaram ao redor do mundo como um clã nômade de 8 pessoas, fazendo arte, fazendo o bem e criando lares onde quer que estivessem. Eles se casaram em 2014, principalmente, porque as crianças queriam. Eles tinham condições de levar tutores para as crianças onde quer que eles fossem. Mas o conceito de educação de Jolie significava imersão no mundo real, para trazer uma compreensão de que “algo pequeno faz parte de algo muito maior”. Por um tempo, tudo funcionou lindamente.

Em 2012, Jolie tinha, recentemente, terminado de dirigir “Na Terra de Amor e Ódio”. Ela queria que seu próximo projeto fosse algo muito significativo e naquela momento, ela já tinha conhecido a história de Ung há uma década. Na época, elas tinham um rascunho completo do roteiro, mas a chance de Jolie dirigir “Invencível”- uma história baseada no livro best-seller escrito por Laura Hillenbrand – apareceu e elas deixaram o projeto de “First They Killed My Father” de lado. Depois de um tempo, Maddox, que já conhecia a história da “Tia Loung”, resolveu desengavetar o projeto. “Ele foi a pessoa que disse, ‘está na hora de lançá-lo”‘, disse Jolie. Ela sabia que Maddox ficaria profundamente envolvido com a produção e que ele estaria lá “observando os horrores que seus compatriotas fizeram uns aos outros. E [para isso] ele tinha que estar pronto”.

Então, Jolie e Ung mergulharam novamente no projeto. Colocaram Maddox como produtor executivo do filme, depois dele ler rascunho atrás de rascunho e fazer comentários. Jolie levou a ideia para a Netflix, onde o diretor criativo, Ted Sarandos, assinou sem hesitação. “Na sala, ela mostrou uma experiência visual do que este filme poderia ser”, lembra Sarandos. “O filme fala, de muitas maneiras, sobre a morte de algo belo, sobre o modo como o Khmer Vermelho matou todas as coisas lindas e coloridas que faziam parte da alegria de vida dos cambojanos… foi o que me convenceu mais do que qualquer outra coisa”.

Apesar dos laços cambojanos de Jolie, ela sentiu que precisava da ajuda de um cineasta cambojano para auxiliar na condução do projeto. Então, ela foi até Rithy Panh, um dos cineastas mais famosos do Camboja, que havia perdido membros de sua família no genocídio e que já havia abordado o Khmer Vermelho em vários documentários, incluindo “A Imagem que Falta”, nomeado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2014. Jolie e Panh chegaram à conclusão de que o filme só poderia ser feito se o Camboja concordasse – e esta não era uma conclusão inevitável já que os cambojanos ainda não lidam muito bem com esta dolorosa história (o filme “Gritos do Silêncio”, dirigido por Roland Joffé sobre o Khmer Vermelho lançado em 1984, teve que ser gravado na Tailândia e em outros países). Os tribunais de guerra, iniciados em 2009 e que ainda estão em funcionamento, ajudaram a resgatar o assunto. Ainda assim, Jolie foi trepidando e se aproximou cautelosamente dos ministros da cultura do Camboja, para explicar que o filme não contaria apenas a história de Ung, mas também a história do povo cambojano. No entanto, foi o histórico cambojano de Jolie que fez diferença, disse Ung. “Em um país como o Camboja, o respeito é algo muito presado – o respeito pelo outro, o respeito pela cultura, o respeito pela história e o respeito pelos mais velhos. Angie caminha pelo Camboja com esse respeito.”

O Camboja parou. A cidade de Battambang ficou fechada por dias. Os cineastas receberam permissões para visitar zonas remotas do país e governo disponibilizou 500 funcionários do exercito nacional atual para interpretar o papel do Khmer Vermelho. “Não é algo muito poético de se dizer, mas este filme foi feito para o Camboja,” disse Jolie. Cerca de 3.500 cambojanos participaram no elenco e na equipe do longa.

Para selecionar as crianças que iriam participar do filme, Jolie visitou orfanatos, praças e escolas para escolher, especificamente, crianças que já tinham passado por dificuldades. A fim de encontrar a atriz que faria o papel principal da jovem Loung Ung, os diretores de elenco criaram um jogo um pouco perturbador de realidade: eles colocaram dinheiro em uma mesa e pediram para que as crianças pensassem em algo que precisavam comprar; em seguida, as crianças tinham que pegar o dinheiro. O diretor de elenco, então, que fingia não saber o que estava acontecendo e pegava a criança no flagra. “Srey Moch [a garota que, no final, foi selecionada para o papel] foi a única criança que ficou olhando para o dinheiro durante um longo tempo”, contou Jolie, “Quando ela foi forçada a devolver, ela ficou muito emocionada. Muitas emoções diferentes começaram a vir à tona,” contou Jolie com os olhos mareados. “Quando perguntaram a ela porque ela queria o dinheiro, ela disse que seu avô tinha morrido e que sua família não tinha dinheiro suficiente para um bom funeral”.

Essa conexão autentica com a dor foi despertada em todos os envolvidos, contou Jolie, fazendo com que a gravação do filme se tornasse algo que ela nunca tinha visto antes. “Não havia uma pessoa trabalhando no filme que não tinha uma conexão pessoal com a história. As pessoas não estavam indo lá apenas para trabalhar. Elas estavam caminhando em êxodo pelos familiares que tinham perdido e por respeito a eles; as pessoas iam até o set para recriar suas histórias… Isso completou todos de alguma forma.” Alguns tiveram flashbacks e pesadelos. Por esta razão, um terapeuta estava presente no set todos os dias. E também, tinha alguns espectadores que não tinham consciência de que um filme estava sendo feito e que ainda estavam traumatizados. Em uma cena, lembra Jolie, “quando o Khmer Vermelho caminhava sobre uma ponte, algumas pessoas de fora que estavam assistindo a cena, caíram de joelhos e choraram. Elas ficaram horrorizadas por ver eles novamente.”

Por conta do tamanho e da complexidade da produção, um diretor de Hollywood diferente poderia ter, conscientemente ou não, usado seu poder de uma maneira que poderia parecer grosseira. De acordo com Ung e Panh, Jolie conhecia o Camboja tão bem que ela internalizou os traços característicos do país. No almoço, ela esperava na fila, assim como todo mundo, lembra Panh, e ela nunca levantava a voz. “Aqui nós não gritamos. Nós conversamos,” disse ele. No Camboja, gritar não é apenas desrespeitoso – é também considerado um sinal de fraqueza.

Muitos olhos se voltaram para Maddox, que no Camboja é tão famoso quanto Jolie. “Foi uma forma dele refazer os passos que, provavelmente, seus pais biológicos, fizeram”, disse Jolie, que não tinha certeza de como ele iria reagir à experiência. Ele iria se conectar? Ele iria querer fugir? Jolie ficou emocionada durante um dia de filmagens quando ela ouviu Maddox dizer, “Posso dormir na minha casa com os meus amigos?”, referindo-se a uma casa na selva que ela comprou em 2002. Eu não tinha ouvido ele se referir a isso dessa maneira. Você não pode forçar. Você não pode dizer, ‘isso não é ótimo?’, você meio que tem que continuar trazendo-os, colocando-os de frente com a situação… e esperar que eles encontrem o orgulho e conforto.”. Jolie considera o esforço de conectar Maddox com sua terra natal – assim como ela faz com Zahara na Etiópia e Pax no Vietnã – um esforço familiar, não individual. Com isso em mente, enquanto Pitt estava no Oriente Médio trabalhando no filme “War Machine”, os outros cinco filhos do casal também foram para o Camboja e desempenharam algum papel, oficial ou não, no novo filme da mãe. Pax fez as fotografias oficiais do filme. Os outros quatro também estiveram presentes nos sets todos os dias e ficaram amigos das crianças que estavam atuando no longa.

Em fevereiro, o filme foi exibido para um público de 1.000 pessoas em um cinema ao ar livre construído temporariamente no complexo do templo de Angkor Wat. De acordo com inúmeros relatos, a exibição estava repleta de lágrimas de reconhecimento, de lembranças e de catarses. O que emocionou Jolie, talvez mais do que qualquer outra coisa, foi que “o povo cambojano esteve em uma grande estreia do filme. Eles assistiram um filme do qual participaram. Eles assistiram os atores cambojanos fazendo um grande trabalho e viram seu país sendo mostrado de uma linda forma, mesmo com todos os horrores da história”.

Parte III

Infelizmente, enquanto ela gravava a história cinematográfica de um país, sua relação com Pitt estava padecendo. Quando “First They Killed My Father” estava em pós-produção, no verão de 2016, “as coisas pioraram”, disse Jolie. “Eu não queria usar essa palavra… As coisas ficaram ‘difíceis'”. Houve uma conversa em Hollywood de que o seu estilo de vida causou impacto em Pitt e que ele estava querendo uma vida mais estável e normal para toda a família. Quando eu trouxe essa questão para ela, foi o momento em que Jolie ficou um pouco na defensiva. “[O nosso estilo de vida] não era de forma alguma negativo”, diz ela, rápida e inflexivelmente. “Esse não era o problema. Isso é e vai continuar sendo uma das maravilhosas oportunidades que nós podemos dar para nossos filhos. Eles são seis indivíduos de mentalidades fortes, pensativos e do mundo. Eu tenho muito orgulho deles.” Jolie deu a entender que, pelo bem das crianças, ela não quer falar sobre o término. E ainda assim, parece que ela quer dar seu ponto de vista, o que exige uma escolha cuidadosa de palavras, sendo algo muito arriscado. “Eles têm sido muito corajosos. Eles foram muito corajosos.”

Corajosos quando?

“Nos momentos em que precisaram ser.” Mais uma de suas declarações enigmáticas. “Nós todos estamos nos recuperando de eventos que levaram ao divórcio… Eles não estão se curando do divórcio em si. Eles estão se curando de algumas… da vida, de coisas da vida.”

Eu então falo sobre o reconhecimento da culpa de Pitt na entrevista à GQ Style. Isso a surpreendeu? “Não,” ela responde, impassível. Eu menciono os tabloides que dizem que a comunicação ente os dois melhorou e pergunto se isso é verdade. Há uma longa pausa. Ela olha para baixo, formulando uma resposta. “Nós nos importamos um com o outro e nos importamos com nossa família, e ambos estamos trabalhando para atingirmos o mesmo objetivo.” Há raiva e dor embaixo dessa superfície. Mas ela está tentando manter as emoções sob controle. “Eu sempre ficava muito preocupada com minha mãe, enquanto eu crescia – muito. Eu não queria que meus filhos se preocupassem comigo. Eu acho que é muito importante chorar no chuveiro e não na frente deles. Eles precisam saber que tudo vai ficar bem, mesmo quando você não tem certeza que vai.”

Sua proteção pelas crianças se tornou mais forte devido aos recentes indícios de câncer de ovário; a doença levou a vida de sua mãe quando ela tinha apenas 56, assim como outras integrantes da família. Em 2013, em um artigo publicado no jornal “New York Times”, Jolie relatou sua decisão de realizar uma dupla mastectomia preventiva e reconstrução de mama, depois de descobrir que possuía uma mutação no gene BRCA1. Dois anos depois, enquanto trabalhava na edição do filme “À Beira Mar”, ela recebeu uma ligação do médico dizendo que ele estava preocupado com alguns dados de seu exame de sangue de rotina que podiam indicar um câncer. “Dez minutos depois, o quarto girava, e eu só pensava, como…?”. Ela escondeu a informação das crianças, fez mais exames e esperou por alguns agoniantes dias. Quando ela finalmente recebeu a informação de que não tinha câncer, “eu caí de joelhos”. Então ela decidiu retirar os ovários. “Eu entrei na sala de cirurgia muito feliz. Saltitante. Porque, naquele, momento era só por prevenção.” E, instantaneamente, ela entrou na menopausa.

Ano passado, juntamente com hipertensão, Jolie desenvolveu Paralisia de Bell, uma paralisia do nervo facial que resulta na inabilidade de controlar os músculos faciais no lado afetado, o que fez com que um lado do seu rosto caísse. “Às vezes, as mulheres das famílias se colocam em último lugar”, disse ela, “até que isso acaba se manifestando em sua própria saúde.” Jolie dá créditos à acupuntura pela recuperação total do quadro.

Mais tarde, sua pele se tornou mais seca, ela relata, e ela ganhou alguns cabelos brancos a mais. Ela diz: “Eu não sei se foi por conta da menopausa ou se foi graças ao ano que eu tive”. A ideia de que ela ainda poderia ser a representação de um “sex symbol” para alguém a faz rir. Mas ela diz, “Eu, na verdade, me sinto mais mulher agora porque eu sinto como se estivesse sendo sábia nas minhas escolhas e estou colocando minha família em primeiro lugar; estou no controle da minha vida e da minha saúde. Eu acho que é ISSO o que faz uma mulher completa.”

Além de divulgar “First They Killed My Father”, na Netflix este mês, Jolie não tem interesse em trabalhar em outro filme neste momento em particular – sua vida não tem espaço para isso. No momento, “eu só quero fazer um café da manhã decente e deixar a casa em ordem. É minha paixão. A pedido dos meus filhos, estou tendo aulas de culinária. À noite, quando vou dormir, eu penso, eu fiz um ótimo trabalho como mãe ou foi só um dia razoável?” (mas há rumores de que ela estaria negociando estrelar o remake de Bill Condon em “A Noiva de Frankenstein”, filme de 1935).

Ela se reconectou com seu pai, de quem ela havia se afastado. “Ele tem sido muito bom em compreender que eles precisam de um avô neste momento. Eu tive uma sessão de terapia na noite passada e ele ficou aqui. Ele meio que sabe a regra – não faça com que eles brinquem com você. Só seja um vovô legal e criativo, que passa tempo junto e conta histórias e lê livros na biblioteca.”

Sua principal fonte de conforto tem sido Ung. “Ela é aquela amiga que enrolou as mangas, entrou no avião e me ajudou na manhã de Natal”, conta Jolie. “Ela tem sido minha amiga mais próxima. Eu chorei nos ombros dela.”

Amanhã, Jolie e seus filhos viajam para a África. Eles visitarão a Namíbia, onde Shiloh nasceu, e o Quênia, onde Jolie vai conferir um projeto relacionado à Iniciativa de Prevenção à Violência Sexual, um órgão que ela co-fundou com o ex-secretário britânico William Hague. Especificamente, militares britânicos e pacificadores estarão recebendo treinamento de como proteger mulheres da violência sexual em zonas de conflito. Não é o itinerário dos sonhos de uma criança e Jolie admite que ela está começando a tentar impulsionar os mais velhos. “Eu tenho consciência de que os meninos são adolescentes e que, talvez, eles prefiram ficar assistindo TV com seus amigos; eles já estiveram na África e por isso, talvez não fiquem tão animados quanto os menores. Mas eles não me desafiam. Eles meio que só sentam na beira da minha cama e perguntam, ‘O que vamos fazer lá?'”. Ela garante que tinha planejado atividades divertidas para eles, como sandboarding. De qualquer forma, “eles sabem que é importante, e eles sabem que a mamãe pensa que vai ser importante para eles quando crescerem.”

Ela sabe que soa um pouco estranho, mas Jolie não consegue controlar quem ela é. “Eu nunca acordei e pensei, eu realmente quero uma vida completa. Eu não consigo! É igual eu não conseguir fazer uma caçarola. Eu não consigo ficar parada.” De toda a conversa anterior sobre estar interessada em manter a casa em ordem, agora, conforme a conversa muda para a África, ela está ansiosa e desesperada para partir. “Eu venho tentando, por nove meses, ser muito boa em ser uma dona de casa, em limpar cocô de cachorro, lavar a louça e ler historinhas na hora de dormir. E eu estou melhorando nessas três coisas. Mas agora eu preciso calçar minhas botas e ir, viajar.” Ela acredita que sua vontade pessoal é infectante. Outro dia ela fez uma piada para Knox sobre as normas do que é ‘”fingir ser normal”. “Ele me disse, ‘quem quer ser normal? Nós não somos normais. Nunca seremos normais.’ Obrigada-sim! Nós não somos normais. Vamos abraçar os seres não normais!”.

Fotos:

01 02 03 04 05 06

07 08 09 10 11 12

01 02 03 04 0506

• REVISTAS & SCANS > SCANS DE 2017 > VANITY FAIR EUA (18x)
• ENSAIOS FOTOGRÁFICOS (PHOTOSHOOTS) > 2017 > MERT ALAS E MARCUS PIGGOTT (11x)



19.abr
Jolie fala sobre a Guerlain em entrevista a Marie Claire

Nesta segunda-feira, dia 17 de Abril, o site oficial da revista “Marie Claire” norte americana disponibilizou uma entrevista exclusiva concedida por Angelina Jolie. A cineasta, que é o rosto da nova fragrância da marca “Guerlain”, falou sobre o fato de estrelar uma nova campanha publicitária.

Marie Claire: Por que você decidiu trabalhar com a Guerlain?
Angelina Jolie: Esta era uma marca que minha mãe adorava e que eu conheço desde pequena. A marca se conectava com a minha mãe e faz o mesmo comigo, em questão de beleza, história e qualidade; ela é uma das casas de perfume mais antigas do mundo e da França, um país que eu amo e me sinto conectada.

Fale sobre a sua mãe, a atriz Marcheline Bertrand.
Ela era uma mulher muito natural que nunca se mimou, nunca usou maquiagem e usava jóias modestas, mas ela sempre teve alguns acessórios especiais para quando ela queria se sentir como uma dama. Um deles – e eu me lembro porque parecia tão elegante – era seu pó de Guerlain. Acho que todas as mulheres têm essas coisas especiais que as fazem se sentir femininas.

O que você mais gostou no novo perfume, Mon Guerlain?
Eu adorei a lavanda e o jasmim misturados com o sândalo. Eu não gosto de perfumes que são muito intensos ou que são muito doces. Esta é uma fragrância terrosa, sensual e que pode ser usada em qualquer momento.

Você participou das gravações do comercial do perfume na França e no dia seguinte, você voou para Londres com a finalidade de participar de uma reunião de cúpula das Nações Unidas para falar sobre a manutenção da paz. Em seguida, você viajou para a Jordânia e visitou campos de refugiados. Como você equilibra ambas as partes de sua carreira?
Essa tem sido a minha vida há muitos anos. Um papel alimenta o outro. É uma alegria ser artista, mas isso não significa muito se esse trabalho não for útil de alguma forma ou contribuir com os outros.

Para você, é importante trabalhar com marcas que compartilham valores semelhantes aos seus?
Sim, com certeza! Isso importa muito e foi algo que eu discuti longamente com a Guerlain. Eu verifiquei o comprometimento da marca com o desenvolvimento sustentável e chequei como ela consegue seus ingredientes antes de concordar trabalhar com eles. Eu fiquei impressionada com o forte senso de responsabilidade para com as pessoas com quem trabalham e com o meio ambiente.

Você doou para a caridade, todo o salario que você recebeu por estrelar a campanha. No que se baseia a sua fundação?
O trabalho da Fundação Maddox Jolie-Pitt é inspirado nos meus filhos e nas suas relações com seus países de origem. Nós visitamos os projetos juntos e ambos crescem juntos. Nós começamos 13 anos atrás no Camboja, e agora já estamos na Etiópia e na Namíbia também. Os projetos são voltados à educação, saúde e ao meio ambiente. Estamos expandindo, mas nosso foco está principalmente voltado para as populações e comunidades locais, assim como também nos direitos das mulheres e das crianças.

Fonte: Marie Claire | Papel Pop

 

• Revistas & Scans > Scans de 2017 > Marie Claire EUA (1x)



O Angelina Jolie Brasil é um site feito de fãs para fãs e tem como objetivo principal compartilhar as notícias mais recentes sobre a cineasta norte americana, Angelina Jolie. Nós não temos qualquer contato com a atriz, seus familiares e agentes. Qualquer artigo, vídeo ou imagem postado nesse site possui os direitos autorais dos seus respectivos proprietários originais, assim como todos os nossos conteúdos produzidos, editados, traduzidos e legendados devem ser creditados sempre que reproduzidos em outro site. É proibida a cópia total ou parcial deste site assim como deste layout. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade clicando aqui.