Arquivo da categoria: 'Filmes'
18.set
Camboja escolhe filme de Jolie para concorrer ao Oscar

Vencedora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por “Garota, Interrompida “e do Prêmio Humanitário Jean Hersholt (também representado pela famosa estatueta), Angelina Jolie pode conquistar em 2018 seu primeiro Academy Awards no ofício que passou a privilegiar nos últimos anos: a direção.

“First They Killed My Father”, drama escrito e dirigido por ela para a Netflix, foi escolhido pelo Camboja para representar o país na disputa de Melhor Filme Estrangeiro.

Apenas seis filmes cambojanos no total foram submetidos à Academia, o primeiro em 1994. O único que figurou entre os finalistas foi “A Imagem que Falta”, de Rithy Panh (produtor executivo do longa de Jolie), que perdeu para o austríaco Amor em 2013. Ano passado a submissão foi o suspense Before the Fall, do australiano Ian White, cuja trama se passa no mesmo 1975 dos eventos trágicos retratados por Angelina.

Desde já um dos favoritos ao Oscar, “First They Killed My Father” aborda, do ponto de vista da menina Loung Ung (Sareum Srey Moch), o genocídio da população cambojana executado durante o regime do Khmer Vermelho.

O Brasil vai mandar “Bingo – O Rei das Manhãs” para o Oscar 2018 e a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas recebe inscrições até o dia 2 de outubro.

Os nove semifinalistas serão conhecidos em dezembro e os cinco concorrentes da categoria serão finalmente anunciados dia 23 de janeiro. O Oscar 2018 acontecerá em 4 de março.

Fonte: Adoro Cinema



15.set
Filme dirigido por Angelina Jolie estreia hoje na Netflix

First They Killed My Father“, o mais novo longa dirigido por Angelina Jolie, estreia no catálogo nacional da Netflix hoje, dia 15 de setembro de 2017.

A produção é baseada na autobiografia da ativista cambojana de direitos humanos e amiga de Jolie, Loung Ung.

O reinado de terror e genocídio do Khmer Vermelha no Camboja é apresentado sob a óptica de uma criança de cinco anos que foi arrancada de sua família em 1975.

Confira o trailer:

Fonte: Cine Pop



04.set
Angelina Jolie confirma participação em “Malévola 2”

Nesta última semana, Angelina Jolie concedeu algumas entrevistas para divulgar seu mais recente filme, “First They Killed My Father”. Uma delas foi compartilhada neste domingo, dia 03 de Setembro de 2017, pelo site Deadline, e nela a atriz confirmou sua participação no filme “Malévola 2”. O artigo foi escrito por Pete Hammond e foi escrito por ele durante o Festival de Cinema de Telluride. Confira a tradução feita na íntegra pelo Angelina Jolie Brasil:

Por Pete Hammond

Angelina Jolie me contou que está adorando estar, pela primeira vez, no Festival de Cinema de Telluride. A cineasta se encontra na cidade desde a pré estreia de seu novo filme “First They Killed My Father” que aconteceu neste sábado. Este é seu quarto filme como diretora e vem recebendo fortes elogios.

O poderoso e lindamente filmado longa se passa na década de 1970, quando o regime do Khmer Vermelho aterrorizava o Camboja, e será exibido pela Netflix em alguns cinemas em meados de setembro, depois de estrear no Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF).

O filme é baseado no livro de memórias escrito por Loung Ung que fala sobre o devastador efeito que o Khmer Vermelho causou em sua própria família, quando ela tinha apenas 9 anos ide idade. Ung, que também está em Telluride, adaptou o livro ao lado de Jolie. Ontem, no entanto, Jolie contou ao público de Telluride que o povo cambojano acabou fazendo isso sozinho. “A Netflix tornou tudo isso possível e deu a eles, ferramentas para que conseguissem contar sua história,” disse ela.

Esta também é uma perigosa história para o mundo atual, já que ditadores e perigosos regimes ainda parecem prosperar em alguns lugares. Este filme, que poderia ser irrestritamente brutal na hora, em vez isso, é de certa forma e quase lírico, já que é contado através dos olhos das crianças afetadas pela guerra. O longa tem o ganhador do Oscar, Anthony Dod Mantle, como diretor de fotografia e a trilha sonora é assinada por Marco Beltrami.

Na noite deste sábado, em um jantar privado no Restaurante Cosmopolitan, enquanto uma tempestade caía la fora, eu sugeri a Jolie e Ung (que agora mora em Cleveland), que o destino havia interferido na vida das duas. Há vários anos, em uma viagem pelo Camboja, Jolie acabou comprando um livro, que custava em torno de 2 dólares, em uma loja de esquina. O livro continha as memórias de Ung e ele mudou tanto a vida de Jolie, que agora está sendo lançado ao mundo.

“Eu comecei a dirigir apenas alguns atrás e certa vez eu me peguei pensando nas coisas que mais importavam para mim, nas coisas que tinham mudado minha vida e nas coisas que precisavam ser contadas. Como eu amo muito o Camboja, eu sentia que as pessoas tinham que saber o que havia acontecido lá. Eu queria que meu filho soubesse quem eram seus compatriotas, eu queria que ele se orgulhasse da cultura de seu país, que ele confrontasse e que fosse honesto com relação ao seu passado”
, disse Jolie ao público ontem, quando contava que esperou alguns anos até que Maddox pudesse participar completamente do projeto; na verdade, ele acabou recebendo os créditos de Produtor Executivo do longa e também está em Telluride.

No jantar, eu perguntei por que Jolie havia escolhido a Netflix e ela me disse que foi em virtude da situação do cinema atual. Um filme pequeno como este, em língua estrangeira e sem nenhuma celebridade, teria muita sorte se conseguisse ser exibido em um pequeno cinema de Nova York. Ela disse que a Netflix permite que o filme seja encontrado e visto por um público muito maior, além disso, a Netflix também ajudará a dar uma maior impressão nas mídias sociais.

Conseguir que este filme fosse feito foi apenas um dos obstáculos de Jolie. Conseguir que ele seja assistido é, claramente, sua missão atual. O chefe de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, sentou-se na minha frente ontem durante a exibição do filme e eu perguntei a ele sobre os planos do longa ser enviado pelo Camboja para concorrer ao Oscar na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Ele me disse que está confiante de que isto vá acontecer. Isso geraria um efeito extraordinário, por ter Jolie – uma diretora norte americana – em um longa elegível na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Mas primeiro, o filme terá que passar pelas exigências da Academia, já que a maior parte da equipe criativa também deve ser do país de origem. Para Jolie, o fato de que este filme possa ser enviado pelo atual regime cambojano é algo notável, considerando algumas das coisas que estão acontecendo no momento, incluindo as tentativas de encerrar alguns meios de comunicação.

“Eu sou uma mulher ocidental e seria incrível se eles concordassem em enviar nosso filme para a Academia”, disse ela acrescentando que esta seria uma poderosa e surpreendente mensagem de apoio pelo governo cambojano.

Jolie, por conta de seu contínuo trabalho com os refugiados ao redor do mundo e por seu trabalho com as Nações Unidas, ganhou o Oscar Humanitário Jean Hersholt, além de também ter ganhado a estatueta na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante por seu trabalho no filme “Garota, Interrompida”. No entanto, dirigir um filme que poderia levá-la até a 90ª Edição do Oscar seria algo sem precedentes para esta cineasta que possui cidadania cambojana desde 2005.

Ao meu ver, o roteiro adaptado ao lado de Ung também poderia receber uma indicação na categoria de Melhor Roteiro Adaptado, que é muito mais fácil em termos de concorrência. Apesar de já ter dirigido outros filmes, como “Na Terra de Amor e Ódio”, “Invencível” e “À Beira Mar”, faria todo o sentido ver “First They Killed My Father” concorrendo na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Como eu disse anteriormente, o fato dela ser uma diretora excepcional que trabalhou duro e se preocupou ao gravar seus filmes em várias línguas. Ela gosta que o diálogo seja autentico e não se preocupa com o uso de legendas.

Com quatro conquistas na direção, perguntei se ela já tinha outro projeto em mente e ela me disse que está na hora de voltar a atuar. “Agora eu sou a chefe da família, portanto está na hora de voltar,” disse era rindo. Existem rumores de que ela talvez estrelasse o novo longa da Universal, “A Noiva de Frankenstein”, mas ela disse que vai voltar a intepretar Malévola.

“Nós estamos trabalhando no script e esta vai ser uma sequência muito forte,” disse ela animada pela perspectiva de voltar a interpretar a vilã da Disney. Enquanto isso, ela está ajudando a tornar memorável esta edição do Festival de Cinema de Telluride.

Fonte: Deadline



30.ago
Jolie fala sobre seu novo filme em entrevista

Nesta terça-feira, dia 29 de Agosto, o site “Screen Daily” disponibilizou uma nova entrevista concedida por Angelina Jolie, na qual a cineasta fala sobre seu novo filme, “First They Killed My Father”.

Por Jeremy Kay

Angelina Jolie, atriz, cineasta e ativista dos direitos humanos, está lançando o projeto mais pessoal de sua carreira. Um filme que se passa na década de 70 e fala sobre o genocídio cambojano. Em uma entrevista exclusiva, ela falou ao “Screen Daily” sobre a estreia internacional de “First They Killed My Father” que irá acontecer durante o Toronto International Film Festival (TIFF) no dia 11 de Setembro deste ano.

Jolie entrou em contato com as memórias de Loung Ung através do livro best seller “First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers”, 17 anos atrás quando ela participava das filmagens do filme “Lara Croft: Tomb Raider”. O livro custava em torno de “dois dólares e era uma espécie de livro de bolso, que você encontrava em qualquer lugar durante as viagens”. Através dele, Jolie foi para um lugar muito mais distante que uma Lara Croft pulando através dos templos e de florestas fumegantes poderia ir.

Para Jolie, o livro cristalizou a dignidade e o desespero testemunhados por ela no país do sudeste asiático de tal forma, fazendo com que ela retornasse repetidas vezes ao Camboja como ativista humanitária e, posteriormente, como uma cidadã residente.

Ung e Jolie se conheceram através do trabalho humanitário, quando Jolie retornou para o Camboja um pouco depois de gravar “Tomb Raider”. Certa vez, as duas se viram balançando em redes durante uma chuva de monção, enquanto conversavam durante a noite. “Nós ficamos amigas e ela tem estado em minha vida desde então”, disse Jolie.

Ung tinha cinco anos quando o Khmer Vermelho emergiu das selvas em 1975 para derrubar o governo de Lon Nol e transformar um país próspero em uma câmara de morte isolada. Ela e sua família de classe média deixaram a capital Phnom Penh e marcharam para os campos, assim como milhões de habitantes das cidades ao redor do país. Quando as tropas vietnamitas invadiram o Camboja e derrubaram o Khmer Vermelho em 1979, Ung perdeu seus pais e dois dos seus seis irmãos. Cerca de dois milhões de pessoas – quase um quarto de toda a população do Camboja – foram mortos.

Jolie e Ung adaptaram o roteiro do filme anos trás. Depois de vários esboços, em 2015 a Netflix concordou em financiar e produzir o projeto. Em junho daquele ano, Jolie pediu o apoio do cineasta cambojano Rithy Panh – diretor do documentário “A Imagem que Falta” indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Panh concordou e se tornou o produtor do projeto, assumindo a liderança durante meses e participando de reuniões com autoridades e ONGS, buscando conseguir permissão para o filme ser filmado em solo cambojano. Os cineastas tiveram que agir com cuidado. Ali não era a Tailândia, lembrou Jolie – local onde o filme “Os gritos do silêncio” havia sido gravado muitos anos antes. “Eu estava querendo levar um filme para o país e pedir para que as pessoas que viveram naquela época, relembrassem da história. Eu realmente não sabia se as autoridades iriam concordar”.

Revivendo o passado

Jolie estava preparada para reduzir a produção e trabalhar com qualquer espaço que as autoridades fornecessem. No entanto, ela conseguiu o que queria e as filmagens, que durariam 50 dias e que seriam feitas nas cidades de Siem Reap e Battambang, finalmente começaram em novembro de 2015.

“Então, é claro, eu cheguei nos sets e estava ao lado da minha amiga, tentando recriar cenas do pai dela sendo capturado e morto. Eu estava tentando refazer os passos da vida de uma pessoa.” Jolie faz uma pausa e sua voz meio que some. “Eu estava trazendo à tona. Eu estava trazendo de volta todas aquelas pessoas que morreram. Eu estava trazendo as irmãs dela de volta. E, é claro, sempre foram as cenas mais felizes que pareceram deixar Ung mais perturbada.”

Jolie e seus colegas internacionais do departamento de seleção de elenco treinaram figurantes locais, “prenderam” um grande número de figurantes, enfrentaram tarantulas e cobras nas selvas e, além disso, tiveram que evitar minas terrestres e outras munições não detonadas. “Por sorte, nós conseguimos finalizar as filmagens sem um único incidente nos sets”, disse Jolie.

Caminhar por um complicado terreno emocional foi mais difícil. A equipe local ajudou na comunicação com o elenco – que era, em grande parte, inexperiente – incluindo a pequena atriz Sareum Srey Moch, com 9 anos de idade, que interpretou o papel de Ung sem ter feito aulas de atuação e que impressionou sua diretora.

Moch participou de uma seleção de elenco que acabou sendo mal descrita pela recente matéria publicada pela revista norte americana “Vanity Fair. No artigo, ficou implícito que os diretores de elenco teriam emocionalmente manipulado as crianças durante as audições, provocando comentários raivosos contra Jolie.

A Enviada Especial do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados e mãe de seis filhos emitiu, junto com Rithy Panh, um comunicado refutando tais afirmações. Quando isso foi novamente mencionado, Jolie disse que este assunto já estava encerrado. No entanto, ela fez questão de enfatizar que os tutores e os pais das crianças estavam presentes durante todas as audições e todas as partes sabiam que o processo envolvido era uma situação de “faz de conta”.

Ao longo das filmagens, o objetivo principal era proporcionar um ambiente terapêutico e catártico para o elenco do filme, através de uma equipe de ONGs, educadores, terapeutas e até desminadores. “O país realmente não fala sobre aquela época e todo mundo que tem em torno de 40 anos, se lembra,” disse Jolie. “Em uma cena, todos estavam vestidos com os uniformes do Khmer Vermelho e carregavam armas. As pessoas começaram a sentir algumas coisas, pois elas estavam se lembrando. Algumas pessoas conversaram sobre aquilo pela primeira vez.”

“First They Killed My Father” permitiu que Jolie se sentisse ainda mais próxima de um país onde ela viveu e trabalhou durante 14 anos. “Quando você dirige um filme é muito diferente de quando você atua. Quando você atua você tenta dar tudo o que você tem durante alguns meses da sua vida, onde você tem apenas um papel para interpretar,” afirmou Jolie. “Quando você dirige um filme, ele toma anos de sua vida e, portanto, deve ser algo realmente importante já que o projeto consome você”.

“Para mim, estas são coisas que realmente importam e estes filmes que eu dirigi são sobre tentar entender a desumanidade do homem para com outros homens; de como o espírito humano supera; de como você pode atravessar a escuridão e sair ainda mais forte e completo”, continua ela. “Quando você faz um filme sobre a história e a cultura de um país, você acaba se envolvendo em uma coisa muito especial”.

“Com este filme, em particular – desconsiderando o fato de que Maddox [o filho mais velho da atriz, adotado por ela no Camboja em 2001] sempre volta para lá comigo e termos uma casa lá – esta foi a primeira vez que ela conseguiu passar meses lá e estudar a história de seu país; ele conseguiu realmente estudar a fundo e compreender o que seus pais biológicos provavelmente passaram; ele conseguiu aceitar isso e descobrir quem era”.

Retribuindo

Um Maddox, agora com 16 anos, trabalhou como o produtor executivo do filme e esteve nos sets desde o começo, trabalhando longas horas nos rascunhos, na produção física e na parte de som. “Eu queria que ele trabalhasse duro e “se devolvesse” ao seu país”, disse Jolie, que não tem duvidas em dizer para quem ela fez este filme. “Eu fiz este filme para o Camboja. Eu fiz como uma espécie de agradecimento, como uma carta de amor. Nunca existiu um filme desta proporção que tenha chegado ao povo cambojano em sua língua nativa, mostrando ele como herói.”

Será que ela se preocupou com o fato de, por não ser uma cambojana nativa, ter o direito de fazer um filme como “First They Killed My Father” questionado pelo povo cambojano? “Provavelmente você teria que perguntar isso para os cambojanos. Em 2005, eu me tornei cidadã do país. Já faz 14 anos que eu sempre estou lá, indo e vindo, fazendo o meu trabalho. Nós achamos… que eu sou cambojana. Nós somos uma família cambojana. Assim como nós somos uma família namibiana, etíope, americana… Estes somos nós”, disse Jolie referindo-se às nacionalidades de seus filhos adotados e biológicos. “Eu não me sinto deslocada naquele país. Assim como eu não sinto que estive lá para roubar e contar sua história. Eu fui apenas um veículo para que eles pudessem contar a história deles”.

O drama recebeu sua estréia mundial em Fevereiro deste ano, ao livre, no complexo do templo Angkor Wat, no Camboja. Jolie e Ung não conseguiram dormir na noite anterior, mas elas não precisavam ter se preocupado – a exibição do filme que aconteceu naquela noite e nas noites que se seguiram nas semanas posteriores ao redor do Camboja “provocaram uma grande discussão no país entre as famílias que não falavam sobre o genocídio”.

A Netflix vai lançar “First They Killed My Father” ao redor do mundo no próximo dia 15 de Setembro. Jolie gosta da ideia de que o filme estará disponível através de uma plataforma de transmissão como essa, para que os espectadores possam assistir quando sentirem que estão prontos. “Com o primeiro filme que eu dirigi [“Na Terra de Amor e Ódio”, lançado em 2011], muitas pessoas bósnias contaram que não conseguiram assistir, que precisavam fazer pausas para depois voltar a ver; então, desta vez, eu estou mais ciente disso”.

Ela não tem realmente certeza do que vem em seguida. Família sim e, provavelmente, atuação. Ela assinou para interpretar o papel de Malévola em uma sequência do primeiro filme e riu quando o remake do filme “A Noiva de Frankenstein” foi mencionado. “Houve uma conversa, mas não acertamos nada. Quantos monstros uma pessoa só pode interpretar, realmente?”

Fonte: Screen Daily

01 02 03 04



29.ago
Rumor: Disney contrata roteirista para Malevola 2

De acordo com o que foi publicado pelo site Tracking Board nesta terça-feira, dia 29 de Agosto, os estúdios da Walt Disney teriam contratado Jez Butterworth para reescrever o roteiro do filme “Malévola 2”.

Segundo o site, o filme está sendo produzido por Joe Roth. O rascunho original do roteiro foi escrito por Linda Woolverton, roteirista do primeiro filme. Jolie já estaria confirmada para estrelar a sequência, no entanto, ainda não foram divulgados mais detalhes a respeito do projeto e qualquer data de um potencial lançamento depende da agenda de Jolie.

Butterworth foi o responsável pelo roteiro de diversos filmes como, por exemplo, “007 Contra Spectre”, “No Limite do Amanhã”, “Aliança do Crime”, “Get On Up: A História de James Brown” e “Jogo de Poder”.

Apesar da notícia ter sido divulgada como uma “exclusividade” pelo site, ela ainda não passa de um rumor pois não foi oficialmente confirmada pelos estúdios da Walt Disney.

Fonte: Tracking Board



O Angelina Jolie Brasil é um site feito de fãs para fãs e tem como objetivo principal compartilhar as notícias mais recentes sobre a cineasta norte americana, Angelina Jolie. Nós não temos qualquer contato com a atriz, seus familiares e agentes. Qualquer artigo, vídeo ou imagem postado nesse site possui os direitos autorais dos seus respectivos proprietários originais, assim como todos os nossos conteúdos produzidos, editados, traduzidos e legendados devem ser creditados sempre que reproduzidos em outro site. É proibida a cópia total ou parcial deste site assim como deste layout. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade clicando aqui.